Tenho a sincronia de um espantalho.

“Durante todos esses anos, duas ou três frases foram verdade.

Os ‘eu te amo’ mais sinceros foram pra quem não amei.

E os homens que amei não me escutaram.

Eu não sei o lugar certo de dizer.

A hora certa de ser humana.

Tenho a sincronia de um espantalho.


Paralisada.

Ninguém precisa se assustar comigo.

Eu sou de mentirinha.”


Martha Medeiros – Tudo que eu Queria te Dizer.

Foram os livros...

“Eu poderia ter o mesmo pai, a mesma mãe, ter freqüentado o mesmo colégio e tido os mesmo professores, e seria uma pessoa completamente diferente do que sou se não tivesse lido o que eu li. Foram os livros que me deram consciência da amplitude dos sentimentos. Foram os livros que me justificaram como ser humano. Foram os livros que destruíram um a um meus preconceitos. Foram os livros que deram vontade de viajar. Foram os livros que me tornaram mais tolerante com as diferenças.”


Martha Medeiros – Non-Stop.

Feliz Natal. ^^

Hey pessoal, passei rapidinho só pra desejar um Feliz Natal.





Obrigada ao blog Café com Magia pelo gif.

Muito obrigada a todos os visitantes e seguidores... *-*

(E, aproveitando o post, vai rolar uma promoção quando chegarmos a 50 seguidores, aguardem.)

:*

Supondo, apenas supondo...

“Supondo, apenas supondo, que você fosse, de alguma maneira extraordinária, muito importante para mim e que embora você não soubesse disso, eu fosse muito importante para você e que tudo isso se perdesse em nossas vidas porque só tivemos oito quilômetros e eu sou um completo imbecil quando se trata de dizer algo muito importante para alguém que eu acabei de conhecer sem bater em caminhões ao mesmo tempo, o que você acha que eu deveria fazer?"


Douglas Adams - Até Mais, e Obrigado pelos Peixes.

Nem uma sequer.

“Lá dentro você vai encontrar a morte. E já não poderá pegar de volta seu coração, menina, você vai morrer, e alguém vai jogar terra na sua tumba. Nem uma flor, nem uma sequer.

Fiquei toda arrepiada, aquela bruxa tinha me enfeitiçado. Mas não dei ouvidos, sorri para os dois que vinham na minha direção, lindos e perigosos.”


Melissa Panarello – 100 Escovadas Antes de Ir Para a Cama.

Por toda a parte eu vejo sua imagem...


"Se olho para estas lajes, vejo nelas gravadas as suas feições! Em cada nuvem, em cada árvore, na escuridão da noite, refletida de dia em cada objeto, por toda a parte eu vejo sua imagem! Nos rostos mais vulgares de homens e de mulheres, até as minhas feições me enganam com a semelhança. O mundo inteiro é uma terrível coleção de testemunhas de que um dia ela realmente existiu e a perdi para sempre!"


O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Brönte
.

Sugestão da leitora Dane Bernardes. (Mande a sua também para renata_nemitz@hotmail.com)

Movimento "Comente Mais"

Encontrei a ideia no blog Entre Fatos & Livros e suuuuper concordei.


Quantas vezes você visita um blog, lê um post interessante, a mão coça para comentar, mas sai sem deixar nenhum comentário? Eu confesso que faço isso diversas vezes nos blogs em que acompanho.
Assim como eu, sei que muitas das leitoras fazem a mesma coisa e isso é um hábito ruim. Tudo que um blogueiro quer, é um retorno sobre o que ele está escrevendo, mesmo que seja para crítica, sugestão ou só para trocar uma ideia.
E foi assim, que surgiu no Twitter a ideia de criar um movimento com a tag #movimentocomentemais e dessa tag surgiu este selo para identificar a campanha.
O movimento é para conscientizar todas nós (isso me inclui) da importância de deixar um comentário quando visitamos um blog, porque é através dos comentários que a interação acontece, as ideias surgem e com isso vamos melhorando o conteúdo, sempre!
Então quer fazer parte do movimento? Copie o selo se tiver um blog e se não tiver, #comentemais!


OBS.: O texto não é meu, é do Fatos & Livros também.
OBS. 2: Eu nem tenho twitter, só gostei da ideia. ^^

Eu era uma ilha abandonada...

"Deixei-me cair numa pequena amurada de pedra na beira do rio e chorei. Eu era uma ilha abandonada no meio do oceano, sem passado e sem futuro. Logo senti que chegava a um ponto que nenhuma voz humana poderia me alcançar"


Memórias de uma Gueixa – Arthur Golden

Uma estrela cadente.

Finalmente me levantei, desejando ter dito a ela o quanto nosso dia tinha significado para mim. Fora da minha janela, vi uma estrela cadente cruzar o céu em um raio brilhante.

Quis acreditar que era um presságio, mas hesitei. Em vez disso, só podia reprisar pela centésima vez o beijo de Savannah no meu rosto e tentar entender como podia estar me apaixonando pela garota que conhecera um dia antes.”


Nicholas Sparks – Querido John.

Montanha-russa.

“Eu não gosto de montanha-russa, o brinquedo, mas gosto de montanha russa, a vida. Isso porque creio possuir um certo grau de responsabilidade que me permite saber até que altura posso ir e que tipo de tombo posso levar sem me machucar demasiadamente: alto demais não vou, mas ficar no chão o tempo inteiro não fico.”

Martha Medeiros – Non-Stop.

O tempo passa.

"O tempo passa.


Mesmo quando isso parece impossível. Mesmo quando cada tique do relógio faz sua cabeça doer como se fosse um fluxo de sangue passando por uma ferida. Ele passa desigual, em estranhos solavancos e levando a calmaria embora, mas ele passa. Até mesmo pra mim.”


Stephenie Meyer - Lua Nova.

E sou o lobo inevitável

“Pois logo a mim, tão cheia de garras e sonhos, coubera arrancar de seu coração a flecha farpada. De chofre explicava-se para que eu nascera com mão dura, e para que eu nascera sem nojo da dor.



Para que te servem essas unhas longas?
Para te arranhar de morte e para arrancar os teus espinhos mortais, responde o lobo do homem.




Para que te serve essa cruel boca de fome?

Para te morder e para soprar a fim de que eu não te doa demais, meu amor, já que tenho que te doer, eu sou o lobo inevitável pois a vida me foi dada.

Para que te servem essas mãos que ardem e prendem?
Para ficarmos de mãos dadas, pois preciso tanto, tanto, tanto – uivaram os lobos, e olharam intimidados as próprias garras antes de se aconchegarem um no outro para amar e dormir.”



Clarice Lispector
– Felicidade Clandestina.

Para mim sempre é ótimo.

“Quando acordo e o vejo deitado ao meu lado, adormecido sobre a mesinha de cabeceira, fico tentada a sorrir e perguntar se foi bom pra ele também. Para mim sempre é ótimo.

E ele não exige fidelidade. Espalhados pela casa, acolho milhares de outros livros de diversos tamanhos, uns mais sérios, outros mais divertidos, uns amores pra quem eu sempre volto, outros amores de uma noite só.”



Martha Medeiros – Non-Stop.

Retrospectiva Literária 2010

Oi pessoal! ^^

Estava eu, bela e formosa, passeando pelos blogs que me foram indicados no skoob, quando encontrei essa iniciativa super legal da Angélica - do blog Pensamento Tangencial - e não pude deixar de participar...




Por enquanto é só divulgação mesmo... quem quiser saber mais pode clicar no banner aí em cima. Dia 03 de janeiro é que a retrospectiva vai rolar (pois é, retrospectiva já em 2011 =P).

Então... fiquem curiosos!! =P

Cálculo matemático errado...

“Porque eu me imaginava mais forte.
Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava.
Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente.
Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil.


É porque eu não quis o amor solene, sem compreender que a solenidade ritualiza a incompreensão e a transforma em oferenda.
E é também porque sempre fui de brigar muito, meu modo é brigando.
É porque ainda não sei ceder.
É porque no fundo eu quero amar o que eu amaria – e não o que é.
É porque ainda não sou eu mesma, e então o castigo é amar um mundo que não é ele.
É também porque eu me ofendo à toa.
É porque talvez eu precise que me digam com brutalidade, pois sou muito teimosa.
É porque sou muito possessiva...”


Clarice Lispector - Felicidade Clandestina.

Tome um chá de sumiço...

“Você é forte, demônio. Eu também sou.

Mas rogo por trégua, jogo a toalha, te peço de joelhos: tome um chá de sumiço, vá dar uma volta, aportar em outra alma, que esta minha já está gasta e não vê graça alguma nas suas provocações.

Quero que você me deixe, porque simpatizo cada vez mais com você.”



Martha Medeiros – Tudo que eu Queria te Dizer.

Selinho \o/

Uau, 2 postagens no mesmo dia. É que recebi mais um selinho da Bruna - do blog Café com Magia - e tô que não tem mais espaço no rosto pro meu sorriso. ^^



"Estes selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web"



Este também vem com tarefas. Desta vez
repasso o selinho pra outros 10 blogs e cito 10 "curiosidades" sobre mim. Então:

Blogs indicados:

- Resenha e Cultura
- Frases de Livro
- Planeta Origami
- Coisas da Tatah
- Desapercebidamente
- Que seja doce
- Reticências
- Por que será que eu nunca indico pro número certo? =P

Curiosidades:

- Margaridas são minhas flores preferidas
- Tenho um par de meias da sorte (e elas são amarelas)
- Meu cachorro se chama Shinaka
- Tenho 2 posters de jogos da série Tomb Raider no meu quarto
- Queria ter um irmão mais velho
- Não sei cozinhar (nada, mesmo)
- Tenho post-it em todos os lugares (pra nunca deixar de marcar algo que me interesse)
- Quero fazer faculdade de geologia
- Ainda leio gibis da Mônica com frequência =P
- Não sei a tabuada do 7 nem do 8 de cabeça. (Terrível, eu sei).


Curiosidades inúteis, eu sei. =P


Bem, até o próximo post. ^^


Quebra-cabeças



“Todo ser humano é um quebra-cabeças composto por muitas peças e, concordo com Almodóvar: nós, do sexo feminino, fazemos parte daqueles jogos mais complicados, difíceis de montar. Quantos pedaços formam uma mulher? Tantos que ela vive incompleta.”



Martha Medeiros – Non-Stop

Meu primeiro selinho *-*

Olá! ^^


Estou super contente por ter recebido o selinho "Esse blog me faz feliz!" da Bruna Bastos - do blog Café com Magia. Não há satisfação maior do que saber que o objetivo do blog está sendo alcançado. Espero que o
Coração Furta-Cor ainda faça muitas pessoas felizes.

Esse selinho é que me fez feliz!


Ah, e o selinho ainda vem com brinde! 7 perguntinhas pra responder, então... lá vamos nós:


1. 7 coisas que pretendo fazer antes de morrer:


- ler todos os livros da minha lista (que aumenta todo dia =P );
- me formar na faculdade (e ainda esperando o resultado do vestiba);

- fazer uma música;
- fazer um curso de fotografia;
- conhecer Machu Picchu;
- aprender japonês;
- morar fora do país.

2. 7 palavras ou expressões que mais falo:

- Hey!
- Putz!

- Meu caneco!
- Capaz!

- Meu, (início de frase =P)
- Ai ai...
- Nossa, nada a ver!


3. 7 coisas que faço bem:

- Ler (vale? =P);
- Dormir (nada me acorda);

- Puxar conversa;

- Inventar argumentos em discussões inúteis;

- Lavar a louça (sério, fica impecável);
- Organizar coisas;
- Escrever (eu acho... '-').

4. 7 defeitos:

- Perfeccionista;
- Impaciente;
- Dominadora;
- Deixo tudo pra depois;

- Inconstante;
- Preguiçosa;
- Facilmente irritável.


5. 7 coisas que amo:

- Deus;
- Família;
- Amigos;
- Ler;
- Ouvir música;

- Separar meus trechos favoritos de tudo que leio (deu pra notar?);

- Dar risada.


6. 7 qualidades:
- Organizada;
- Dedicada;
- Engraçada (é o que dizem =P);
- Inteligente;
- Responsável;
- Leal aos meus princípios;
- Humilde, como deu pra perceber. xD

7. 7 blogs para participarem do desafio:

- Enlouquecemos às Vezes;
- Planeta Origami;
- Coração de gás neon;
- Resenha e Cultura;
- Frases de Livro;

- Hmm... vou ficar só com 5 mesmo (olha a rebeldia! XD).



Silêncio.




“A intimidade de um leitor com seu livro só o silêncio abençoa.”




Martha Medeiros – Tudo que eu Queria te Dizer.

Capacidade de ser feliz...


"Minha capacidade para atividades mentais de todos os tipos é tão ilimitada quanto a infinita imensidão do próprio espaço.

Exceto, claro, no que diz respeito à minha capacidade de ser feliz(...).

Minha capacidade para ser feliz poderia ser colocada numa caixa de fósforos, sem tirar os fósforos antes."


Douglas Adams - A vida, O Universo e Tudo Mais.

Perda.

“Um poema, "Perda", estava escrito numa pedra.

Tinha três palavras gravadas, que o autor apagara.

Não podemos ler a perda, mas podemos senti-la.”




Arthur Golden - Memórias de Uma Gueixa.

Uma verdadezinha.

"Uma verdadezinha: Eu não carrego gadanha nem foice.

Só uso um manto preto com capuz quando faz frio.

E não tenho aquelas feições de caveira que vocês parecem gostar de me atribuir à distância.

Quer saber a minha verdadeira aparência?

Eu ajudo.


Procure um
espelho enquanto eu continuo.”



Markus Zusak - A Menina que Roubava Livros.

Ela e o mar.

“Aí está ele, o mar, a mais ininteligível das existências não humanas. E aqui está a mulher, de pé na praia, o mais ininteligível dos seres vivos. Como ser humano fez um dia uma pergunta sobre si mesmo, tornou-se o mais ininteligível dos seres vivos. Ela e o mar.

Só poderia haver um encontro de seus mistérios se um se entregasse ao outro: a entrega de dois mundos incognoscíveis feita com a confiança com que se entregariam duas compreensões.

Ela olha o mar, é o que pode fazer. Ele só lhe é delimitado pela linha do horizonte, isto é, pela sua incapacidade humana de ver a curvatura da terra.”


Clarice Lispector - Felicidade Clandestina.

Seus olhos eram como topázio


“... Eu não quero que você venha comigo.”

Houve uma pausa enquanto eu repetia as palavras na minha cabeça.

– “Você... não... me quer?”

– “Não”.

Seus olhos eram como topázio – duros e claro e muito profundos.

Eu senti como se pudesse ver por dentro deles por milhas e milhas e, mesmo assim, ainda não conseguiria alcançar o lugar onde encontraria a contradição de suas palavras.


Stephenie Meyer - Lua Nova.

Um atalho para a floresta.

"Voltava, não se pode dizer mais rica, porém mais garantida depois de ter bebido em não se sabe que fonte. O que se sabe é que a fonte devia ser antiga e pura. Sim, havia profundeza nela. Mas ninguém encontraria nada se descesse nas suas profundezas – senão a própria profundeza, como na escuridão se acha a escuridão. É possível que, se alguém prosseguisse mais, encontrasse, depois de andar léguas nas trevas, um indício de caminho, guiado talvez por um bater de asas, por algum rastro de bicho. E – de repente – a floresta.


Ah, então devia ser esse o seu mistério: ela descobrira um atalho para a floresta. Decerto nas suas ausências era para lá que ia. Regressando com olhos cheios de brandura e ignorância, olhos completos. Ignorância tão vasta que nela caberia e se perderia toda a sabedoria do mundo.”


Clarice Lispector - Felicidade Clandestina

Jeitinho para voar.

“Há toda uma arte, ele diz, ou melhor, um jeitinho para voar.


O jeitinho consiste em aprender como se jogar no chão e errar. Encontre um belo dia, ele sugere, e experimente.”


Douglas Adams - A Vida, O Universo e Tudo Mais.

Eu era como a água...

“O meu pai costumava dizer que a minha irmã era como uma árvore, que se agarra firmemente à terra com as suas raízes.


Eu era como a água, que percorre o seu caminho sem que nada a detenha. Se encontrar um obstáculo, desvia-se até poder avançar novamente.”


Arthur Golden - Memórias de uma Gueixa.

Ao mesmo tempo, tão sábia.

“A tartaruguinha em sua mão quase o levou às lágrimas. Tão jovem e, ao mesmo tempo, tão velha. Tão desprotegida e desajeitada e, ao mesmo tempo, tão sábia.”



Bernard Schlink - O Outro.

O pássaro raro pousou em nosso ombro.

“Consta que o mundo tem muitos anos. Porém raramente ele dura mais de um século. Somos nós que envelhecemos.

Enquanto vierem pessoas ao mundo, ele terá o mesmo viço e frescor do sétimo dia, no qual Deus descansou.

Neste momento, somos testemunhas de uma criação. Ela desponta diante de nossos olhos, em plena luz do dia: um mundo surge do nada...

E ainda assim existem pessoas que ficam entediadas!

A maior parte do tempo o mundo desperdiça dormindo. A maior parte do espaço também.

Apenas de vez em quando, ele esfrega os olhos e desperta para a consciência de si mesmo.

- Quem sou eu? – indaga o mundo.

- De onde venho?

Por alguns segundos, o pássaro raro pousou em nosso ombro.”



Jostein Gaarder - O Pássaro Raro.

Você falou meu nome...

“Você falou meu nome enquanto dormia. Você falou tão claramente que no início pensei que você estivesse acordada.

Mas você virou para o lado e murmurou meu nome mais uma vez, e suspirou.

O sentimento que passou no meu corpo nessa hora me deixou enervado, vacilante. E eu sabia que não podia mais te ignorar.”



Sthephenie Meyer - Crepúsculo.

Modesto, mas recomeçando.

“Ele sabia que era lento, lento para perceber as coisas e para processá-las, lento para se envolver com alguma coisa e para se libertar dela.

Às vezes, tinha a impressão de que tinha despencado da própria vida, que ainda estava caindo, mas logo chegaria a algum lugar, lá no fundo, recomeçando do zero, modesto, mas recomeçando.”


Bernard Schlink - O Outro.

Sem o medo havia o mundo...

“A uma distância infinita eu via o chão. Ofélia, tentei eu inutilmente atingir à distância o coração da menina calada.

Oh, não se assuste muito! às vezes a gente mata por amor, mas juro que um dia a gente esquece, juro! a gente não ama bem, ouça, repeti como se pudesse alcançá-la antes que, desistindo de servir ao verdadeiro, ela fosse altivamente servir ao nada.

Eu que não me lembrara de lhe avisar que sem o medo havia o mundo.”


Clarice Lispector - Felicidade Clandestina.

Mais um blog? Pode ser.

10.000 novos blogs são criados por dia. A cada segundo 3 deles são atualizados. Estima-se que totalizem 4 milhões de blogs (não esquecendo os que são criados enquanto você lê esse post).

Então por que mais um? Essa pergunta me deteve por algum tempo, até que me satisfiz com uma resposta bem simples: porque tenho vontade.

Tenho vontade de dividir o que leio... Sempre senti que os bons textos anseiam por serem compartilhados. Quando uma frase me remete à uma imagem e essa a um sentimento, tenho uma vontade incontrolável de mostrar para alguém, de saber se lembrou da mesma coisa, se imaginou do mesmo jeito.

E minhas obse
rvações sobre o que transcrevo? Meus comentários? Eles só têm valor absoluto para mim... O texto prefere – acredite em mim, ele me contou - que você sinta por si mesmo, apalpe as palavras sem medo e descubra o que elas querem te dizer. Espero que goste...